Header Ads

Battisti assume culpa nos quatro assassinatos pelos quais foi condenado na Itália

O terrorista Cesare Battisti admitiu participação direta nos quatro assassinatos pelos quais foi condenado à prisão perpétua na Itália, sendo o executor de dois deles. O criminoso disse que falaria, mas não entregaria os comparsas.

Battisti confessou os crimes perante Alberto Nobili, que coordena o órgão antiterrorismo do Ministério Público de Milão, pouco mais de dois meses depois de ter sido extraditado à Itália para cumprir sua pena.

"Eu falo apenas de minhas responsabilidades, não delatarei ninguém. Estou ciente do mal que fiz e peço desculpas aos familiares [das vítimas]", afirmou Battisti, de acordo com o procurador, que acrescentou que a confissão é um "reconhecimento importante ao trabalho dos magistrados".

Nobili é responsável pelo inquérito que investiga as supostas ajudas recebidas por Battisti em seu período de fuga. A confissão foi feita no último fim de semana, na penitenciária da Sardenha onde ele cumpre pena de prisão perpétua.

"Battisti admitiu ter participado diretamente dos quatro homicídios, sendo que foi o executor material em dois deles", reforçou Francesco Greco, chefe do Ministério Público de Milão.

Captura
Batistti no avião que o levou da
Bolívia para a Itália.
Battisti foi capturado em 12 de janeiro à noite enquanto caminhava pela rua em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. A prisão foi resultado de uma parceria de agentes bolivianos e italianos com apoio de brasileiros.

No Brasil desde 2004, o italiano foi preso três anos depois. O governo da Itália pediu sua extradição, aceita pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Contudo, no último dia de seu mandato, em dezembro de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que Battisti deveria ficar no Brasil, e o ato foi confirmado pelo STF.

Desde a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro defendeu a extradição de Battisti. Ao assumir o poder, ele reiterou sua determinação em capturar e enviar para a Itália para o cumprimento da pena.

Comentário - Agora, vamos aguardar o mea culpa da imprensa brasileira que o tratava como "ativista" e "escritor" e da esquerda, especialmente do PT, que protegeu o criminoso no Brasil.

Será que vão abrir o bico ou ficarão caladinhos com cara de paisagem?