Header Ads

'Ontem, quase tivemos uma crise institucional", diz Bolsonaro

Ao deixar o Palácio da Alvorada, na manhã desta quinta-feira (30), o presidente Jair Bolsonaro disse que o país esteve perto de uma crise institucional com a decisão monocrática do ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, de suspender a nomeação do diretor-geral da Polícia Federal, Alexandre Ramagem.

- Tirar em uma canetada, desautorizar um presidente da República com uma canetada, dizendo em impessoalidade. Ontem quase tivemos uma crise institucional. Quase, faltou pouco. Eu apelo a todos que respeitem a Constituição […]. Eu não engoli ainda essa decisão do senhor Alexandre de Moraes. Não engoli. Não é essa forma de tratar o chefe do Executivo, que não tem uma acusação de corrupção, que faz tudo possível pelo seu país - disse o presidente.

Bolsonaro entende que o ministro tomou uma decisão política.

- Estou chateado. Porque, afinal de contas, ele está na Abin. Se não pode estar na PF, não pode na Abin também. No meu entender, foi uma decisão política… política! Eu respeito a Constituição, mas tudo tem um limite.

O presidente disse que a questão da "impessoalidade" não se justifica a suspensão imposta por Moraes.

- Não justifica a questão da impessoalidade. Como é que o senhor Alexandre de Moraes foi para o Supremo? Amizade com o senhor Michel Temer. Ou não foi?

Deixe uma resposta